sexta-feira, 2 de junho de 2017

Berlim: a ilha encantada

Berlim Dom Sei que parece um postal, mas é apenas um daqueles monumentos que, como algumas pessoas, ficam bem na fotografia, independentemente da qualidade do fotógrafo


Este é o quarto postal de Berlim.
Esta  semana é altura de vos levar até uma Ilha Encantada e assumir que Berlim tem um dos complexos de museus mais imponentes e diversificado que alguma vez conheci.
Património Mundial da UNESCO desde 1999,  a  Museum Insel  ( Ilha dos  Museus) fica na zona leste da cidade, a cinco minutos a pé de Alexanderplatz e a 10 da porta de Brandenburgo.
Este centro museológico, construído entre 1830 e 1930 foi fortemente afetado pelos bombardeamentos durante a II Guerra Mundial, sendo ainda bem visíveis as obras de reconstrução, bem como a edificação de um caminho que liga todos os museus.

Em termos arquitetónicos, dois edifícios se destacam dos restantes. Logo à entrada a Berliner Dom  uma catedral protestante de estilo  barroco, imponente e profusamente decorada- o que não deixa de ser surpreendente num local de culto luterano.
Na  extremidade  norte da ilha destaca-se a imponente cúpula do Bode Museum, onde se encontram o Museu de Arte Bizantina e as colecções de esculturas e de numismática.
Em 10 dias é impossível visitar todos os museus  ( até porque há muitos mais  que merecem ser visitados noutros pontos da cidade) mas além destes destacaria o Neues Museum ( onde não entrei, mas cujo edifício fascinante me dizem ser merecedor das exposições que alberga.

A porta de Ishar , bem como o Pátio das Colunas (entre a Alte Galerie e o Neues Museum)  e os relvados de  Lustgarten são locais para desfrutar sem olhar  para o relógio. Se entretanto o estômago reclamar e começar a reclamar comida, caminhe umas  escassas centenas de metros e almoce ( ou jante) num dos restaurantes com esplanada de Hackesche Hofe  de que já aqui falei num post anterior.

Curiosamente,  é  à entrada da Museum Insel ( à direita de Berliner Dom e  junto ao cais onde se apanham os barcos para um passeio pelo rio Spree)  que se encontra o DDR Museum, alvo das minhas críticas, no anterior postal de Berlim,  pela forma acintosa e não raras vezes distorcida como é retratada a sociedade alemã de Leste.  Mas como diz o ditado, não há bela sem senão…
( Continua)

4 comentários:

  1. E quem não prevê visitar a Alemanha proximamente vai aproveitando estes postais... :)

    ResponderEliminar
  2. E quem já a visitou e não viu uma data de museus, por não haver tempo para todos e alguns estarem fechados; e porque as ruas com sua arquitectura própria e díspar entre Berlim leste e oeste, os monumentos, a história ao vivo e o ar que se respira importarem igualmente. Talvez eu gostasse da Berlim estival, provavelmente verde onde antes era só brancura.
    De todo o modo, estes postais são bons para lembrar uma cidade tão cheia de história. Linda. E quem sabe se no verão os alemães não ficam mais simpáticos.
    BFS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os alemães são sempre muitíssimo simpáticos em todas as estações do ano, bea.

      A minha amiga Bea, tinha pouco amor à Alemanha e aos alemães. Após conhecer o meu marido mudou de opinião e ficou até com um "fraquinho" por ele.

      Abraço da amiga que tem aquele defeito de ser mais alemã do que portuguesa 🌹

      Eliminar