quinta-feira, 15 de junho de 2017

Berlim: De Bernauer Strasse a Prenzlauerberg

A História de Bernauer Strasse é a  história de uma cidade dividida

Aqui se passaram algumas das cenas mais dramáticas durante a construção do muro. Morreram pessoas que se atiraram das janelas dos edifícios, na tentativa de passarem para o outro lado.


De um dia para o outro, os moradores não ficaram apenas separados dos seus familiares. Muitos deles ficaram privados de lz, porque as autoridades da RDA taparam as janelas, de modo a impedir a vista sobre o outro lado da cidade.


Quando cheguei a Bernauer Strasse começou a chover ( foi o único dia em que choveu a sério durante a minha estadia em Berlim) e, pela única vez em Berlim, também senti que chorava por dentro, ao imaginar o martírio de quem  lá vivia. E lembrei-me,obviamente, do filme Adeus, Lenine.

Se em Check Point Charlie, a encenação turística retira em grande medida o peso dramático daqueles tempos...


... em Bernauer Strasse sente-se todo esse peso. É  aqui que se sente, com mais intensidade, a marca de uma cidade cruelmente dividida.

Almocei  na super animada Oranienstrasse. Uma refeição ligeira, porque não aguentava o peso dos momentos que acabara de viver. 


Prossegui a pé, sob um céu de chumbo até Prenzlauerberg. Só ao chegar próximo de Kulturbrauerei o sol voltou a brilhar e, num ápice, o céu foi-se retalhando em tons de azul.

Foi nesta antiga fábrica de cerveja, hoje    transformada num centro de encontro muito popular, especialmente entre jovens-   fez-me  recordar a LC Factory -  que recuperei a boa disposição.


Não pensem que foi graças à cerveja - esses prazeres estão-me vedados. 


Foi, sim, graças a um animado grupo de jovens alemães com quem entabulei conversa e me fizeram acreditar que os berlinenses já ultrapassaram os traumas de uma cidade dividida.


 Fingi que acreditei e todos ficamos felizes.

(Continua)

8 comentários:

  1. Está mesmo a aguçar o apetite para uma visita.

    Não consigo imaginar o drama de, de repente, ver uma cidade divida ao meio e sem qualquer comunicação entre os dois lados.

    Aquele abraço, bfds

    ResponderEliminar
  2. Uma situação dramática para ambos os lados.

    Já NÃO há traumatismos​, mas a unidade do povo alemão contínua nas estrelas...

    ResponderEliminar
  3. Interessante. Tive essa mesma sensação quando passeei em Berlim.

    ResponderEliminar
  4. Perdi a noção do tempo passar quando visitei o Checkpoint Charlie Museum.Sente-se demasiado o peso da atmosfera daquele passado aina tão vivo.

    ResponderEliminar
  5. Je mange le chocolat soulement apres midi et vous Portuguesitos...quand? Merci Beaucoup et aurevois.

    ResponderEliminar

  6. Vim reler um pouco das tuas crónicas...

    ResponderEliminar
  7. Carlos que te seja permitido escrever, onde quer que tu estejas !
    Fica em Paz !!!

    ResponderEliminar